9 de maio de 2008

Capacitação é a solução



Relatório da Organização Internacional do Trabalho apontou que os países desenvolvidos continuam na frente da lista dos mais produtivos no trabalho. O destaque é que os países asiáticos e que estão fora da união européia, como a China, Rússia, Bósnia e Irã, estão em franca expansão neste sentido. O Brasil, na contramão deste processo mundial, segundo a pesquisa, regrediu e piorou seus índices de produtividade no trabalho. Ficamos atrás da Venezuela, Uruguai, Chile, Argentina e próximos de Uganda. Os americanos mantiveram a ponta com larga diferença entre os demais países que o seguem.

O aumento da produtividade é resultado principalmente de uma melhor combinação de capital, trabalho e tecnologia.

O nível de vida num país depende também da produtividade, que mede quanto um trabalhador produz por hora. Os lucros das empresas crescem quando os empregados produzem mais por hora do que antes.

A falta de investimento nos trabalhadores através de formação e capacitação, ou em equipamento e tecnologia, pode conduzir a uma subutilização do potencial da mão-de-obra no mundo.

Diante disso fica claro que há muito a fazer. A começar pela qualificação e capacitação dos trabalhadores.

Os índices de investimento em treinamento e capacitação técnica e comportamental nos países desenvolvidos são, no mínimo, três vezes superiores aos do Brasil.

Ainda encontramos no país empresários, comerciantes e empreendedores com uma visão estreita no que se refere a investimento em educação e treinamento profissional. Mesmo com a comprovação por meio de pesquisas e estatísticas que reforçam a relação positiva entre qualidade/produtividade e investimento em qualificação.

Outro fato é que não adianta somente preparar tecnicamente o trabalhador. Oferecer-lhe educação primária, secundária ou superior, especializações e MBA’s. O mundo corporativo requer pessoas também qualificadas em relações humanas, gestão de pessoas, negociação, comunicação interna e com os clientes externos, inteligência emocional.

As relações comerciais se modificaram significativamente nos últimos dez anos. Passamos de uma geração onde o cliente não sabia de seus direitos e obrigações para uma nova geração de pessoas mais críticas e ligadas a tudo que acontece. Saímos da máxima onde o cliente é rei para o CRM.

Com isso, este mesmo cliente, trabalhador, empresário, comerciante, profissional liberal teve de se adaptar a novas formas de relacionamento e trabalho. Não há mais espaço para relações baseadas no medo, no ganha-perde, na imposição. O momento atual requer flexibilidade de atitudes, forte comunicação, ética, transparência, ou seja, um relacionamento entre chefia-subordinado, empresa-funcionário baseado na troca de mão-de-obra/conhecimento por salário/emprego.

É preciso sair do paradigma que treinamento é despesa. No momento que as empresas e seus diretores, presidentes, proprietários e funcionários entenderem que a solução para o aumento da produtividade passa pela capacitação técnica e comportamental de seus funcionários, certamente sairemos desta vexatória condição de sub-desenvolvidos e “improdutivos”.

A equação é simples: quanto mais investimentos em treinamento, capacitação e tecnologia, melhores resultados, produtividade e lucros.

...................................................
Escrito por Rogerio Martins
publicação permitida
desde que citada a fonte e autor
Cadastre-se no Boletim