5 de junho de 2008

[ARTIGO] O Poder do Feminino nas Organizações


As mulheres vêm ganhando cada vez mais espaço no mundo corporativo e isso não é nenhuma novidade, mas ainda assusta muita gente. Em minha experiência profissional e acadêmica tive o privilégio de conviver com muitas mulheres. Sempre comento com os amigos que meu exemplo maior de liderança é de uma excepcional profissional que tive como gestora, logo no início de minha carreira. Ela me ensinou muito mais do que a atividade que exercia. Sua sensibilidade e paixão pelo que fazia e faz até hoje foram sua marca registrada em mim.

Ao longo de minha carreira profissional tive diversas experiências diferentes no que tange a convivência com gestores homens e mulheres. Percebi que há sutis e, às vezes, consideráveis diferenças entre a gestão masculina e feminina. Destas minhas experiências conclui que as mulheres, em geral, são mais tolerantes, intuitivas, emotivas, mediadoras, generalistas e conseguem lidar com diversas atividades e pensamentos ao mesmo tempo.

Na cultura oriental temos, através do TAO, uma interessante divisão entre masculino e feminino (Yin e Yang). A força masculina é voltada para a razão, a agressividade, a realização, o concreto, objetivo, a força. Em contrapartida, o feminino se revela através da emoção, do sentir, da negociação, da contemplação, dos relacionamentos, da afetividade.

No universo corporativo durante anos tivemos a velha máxima: “manda quem pode e obedece quem tem juízo”. Esta frase revela fortemente o predomínio da visão masculina, concreta, fria, focada somente nos resultados a qualquer custo. Aos poucos essa forma de gerenciamento vem se modificando, principalmente com a presença cada vez maior das mulheres em posições de comando. Sendo assim, hoje temos cada vez mais a valorização do indivíduo, sua qualidade de vida, seus interesses, seus sonhos. Tudo isso é fruto desta revolução silenciosa vinda através desta força feminina.

Como nos ensina o TAO, o mais importante não é o domínio de uma ou outra força, mas o equilíbrio entre ambas. Por isso, o poder do feminino nas organizações é fator primordial para o sucesso de pessoas, empresas, nações e negócios. Aqueles que conseguem trabalhar estas forças de modo sensato e positivo, extraindo o melhor de cada uma, sem dúvida estarão muito a frente no caminho do sucesso.

Seja homem ou mulher, experimente perceber em si mesmo e na organização que trabalha como estas forças masculina e feminina estão presentes. Observe e pratique a objetividade do universo masculino, mas tenha a sensibilidade do universo feminino para saber o momento de ceder, recuar ou avançar ainda mais.

::: Rogerio Martins é Psicólogo, Professor, Palestrante e Escritor. Siga @rogermar no Twitter e venha curtir a página do Facebook.
. . . . .
Cadastre-se no Boletim