30 de abril de 2008

[PRA PENSAR] Somos insubstituíveis?


O dia do trabalho está chegando e vale refletir sobre o mesmo. Afinal, no dia do trabalho não trabalhamos, não é mesmo? São as eternas dicotomias da vida...

O título desta postagem de hoje é para levar uma reflexão sobre a "insustentável leveza do ser" no ambiente profissional. Quem não conhece algum profissional que se achava insubstituível? Ou seja, a empresa sempre precisará dele.

Conheci uma destas pessoas anos atrás quando trabalhava em uma multinacional. Ele trabalhava na área financeira, mais precisamente na controladoria. Era responsável por diversos relatórios e informações importantes. Talvez por isso se considerava alguém essencial para a empresa. Tinha o hábito de chegar por volta das 7h, quando o expediente começava às 8h. Saía por volta das 19h, 20h, todos os dias. Muitos sábdos e domingos também trabalhou. Família? Sim, era casado e tinha filhos. Os colegas brincavam dizendo que a esposa e os filhos não sabiam mais quem era o estranho que vez em quando passava pela casa.

Muito bem, ele achava que nunca seria demitido. Afinal, seu trabalho e sua dedicação eram ímpares. Ninguém saberia fazer o que ele fazia, até porque não ensinava a ninguém. Tinha medo que outra pessoa soubesse fazer o mesmo e assim perdesse sua função. Talvez por isso mesmo é que acabou sendo demitido.

Foi um choque. Para ele e todos que o conheciam. Como a empresa poderia ser tão cruel com alguém que sempre se dedicou? Que injustiça... alguns comentavam.

O fato é que este personagem da vida real não cuidou verdadeiramente de sua carreira. Enganou-se acreditando que retendo informações, centralizando o poder e agindo dedicadamente somente para a empresa estaria seguro. Seria eterno.

Este fato ocorreu há alguns anos. Hoje, mais do que nunca, é fundamental dedicar-se ao desenvolvimento pessoal e profissional. A empresa em que se trabalha é passageira. Ou deveria ser. Ninguém é insubstituível, por mais que pareça ou se sinta...

Recentemente um amigo foi desligado de uma grande empresa justamente no momento mais crítico de volume de trabalho. Ele sabia que futuramente seria demitido em função dos desentendimentos constantes com sua chefia. Mas, não acreditava que seria agora. Pois é... não há momento ideal.

Cuide do seu momento. Cuide de sua carreira. Esteja sempre preparado e alerta. Atualize constantemente seu currículo. Torne sua carreira e sua vida realmente interessantes. Faça sua parte, não se acomode na "segurança" de se sentir imprescindível.

Boa sorte e sucesso.
Cadastre-se no Boletim