25 de março de 2009

O direito de ir e vir

Nesta semana ocorreu um fato curioso e ao mesmo tempo desagradável. Fui realizar um treinamento em determinada empresa e quando chego na porta não pude entrar. Alguns representantes do sindicado da categoria resolveram fazer uma paralisação, por iniciativa própria, e não deixavam ninguém entrar na empresa, fosse funcionário, prestador de serviços etc. Tentei argumentar, mas o tratamento foi truculento, ofensivo e unilateral. Ao comunicar os responsáveis pela contratação do meu trabalho fui orientado a não insistir, pois havia histórico de agressividade e insulto.

Num país onde temos pessoas procurando emprego há outros que impedem os demais de trabalhar. Num país onde o salário médio do trabalhador é vergonhoso há outros que se sustentam com o dinheiro dos sindicados e associações. Pior é que usam a prerrogativa de defenderem os direitos dos trabalhadores. Mentira. Balela.

Após algumas horas de paralização os próprios funcionários que não podiam entrar na empresa forçaram os "sindicalistas" a liberarem a passagem. Lamentável. Onde fica o direito de ir e vir do cidadão? De que forma somos representados? Por pessoas que não tem argumentos convincentes e se apoiam no assistencialismo? Infelizmente esta é a nova realidade. Salve-se quem puder.
Cadastre-se no Boletim