13 de maio de 2009

Sobre outra crise: a falta de ética

palestras motivacionais, lideranca, motivacao, palestras, palestrante, palestra de motivacao
Ainda na linha das crises que estamos vivendo, há outra que me assusta cada dia mais: a falta de ética. Já escrevi sobre isso algumas vezes aqui no blog e em outros sites. O assunto não se esgota.

A ética pode ser entendida como um conjunto de regras sociais, que utilizamos para conviver, nos relacionar, enfim, viver em harmonia e com respeito.

A cada noticiário sobre o Congresso ou o Senado dá um desânimo danado. Quanta corrupção. Quanta falta de ética. O próprio conselho de ética falta com a ética.

E nas empresas? Como anda a ética empresarial? Tenho acompanhado as notícias e artigos sobre o tema e também é preocupante.

A competitividade parece ser a pauta do dia. Pessoas ultrapassam determinados limites para atingir seus próprios resultados ou da empresa. Agir de forma correta, adequada, com honestidade e respeito parece estar fora de moda. O valor do momento é o cada um por si.

Certamente que isto não ocorre em todos os lugares e com todas as pessoas. Por isso, digo que é uma outra crise. É um momento. Caso não seja cuidadosamente trabalhado poderá se transformar em uma verdadeira pandemia.

Um dos grandes pontos que destaco para melhorar este tipo de comportamento e situação é cada um fazer sua parte. Simples assim. Quando as pessoas pararem de simplesmente apontar a falta de ética dos outros e começarem a agir, como exemplo, tudo irá mudar.

Os Deputados e Senadores que estão agindo de forma anti-ética não está lá por acaso. Muitas pessoas votaram em todos eles. Portanto, está em nossas mãos fazer a diferença.

Repense suas atitudes. O que é ético e o que não é ético no dia-a-dia? Como você tem se comportado diante de questão simples como: comprar produtos piratas; falar dos outros quando eles não estão; pedir emprestado e não devolver; cumprir os prazos, horários e o prometido; brigar no trânsito por banalidade; furar a fila; destratar quem torce para outro time, ou é de outra religião, ou raça; pedir caixinha (propina) por um serviço em que você é pago para executar e etc.

Ninguém consegue ser 100% ético, mas é possível melhorar estando atendo as suas atitudes, relações e, principalmente, valores que o tornam um cidadão.
Pense nisso! Rogerio Martins.
Cadastre-se no Boletim