10 de março de 2015

7 atitudes do líder eficaz

Palestrante Motivacional Rogerio Martins

Liderança é, sem dúvida, o principal assunto do mundo atual dos negócios. Através da liderança as empresas realizam seus projetos, expandem seus negócios e conquistam clientes.

Líderes eficazes tornam suas empresas também eficazes, competitivas, com profissionais de alto nível de comprometimento e resultados. Ao contrário, pessoas que ocupam cargos de liderança sem o devido preparo técnico e emocional, levarão a empresa ao fracasso. O tempo é um fator crucial, ainda mais nos tempos modernos de tamanha rapidez nos negócios. Portanto, líderes preparados geram crescimento para as empresas e a sociedade.

Sendo assim, preparei uma lista com sete atitudes para tornar o papel de liderança ainda mais poderoso. Certamente que a lista não é definitiva, mas um indicativo de atitudes que realmente podem fazer a diferença para o próprio gestor e, principalmente, para a equipe. Também não está organizada em forma de importância, sendo que todas elas em conjunto é que realmente terão efeito e não isoladamente. Através das atitudes abaixo os ocupantes de cargos de liderança, em qualquer tipo de organização, terão condições efetivas de alavancar a motivação da equipe, gerar maior produtividade, diminuir falhas, fidelizar clientes e tornar o negócio da empresa memorável.

Antes de iniciar a lista considero importante destacar que meu objetivo é apresentar ATITUDES para uma liderança eficaz, ou seja, ações efetivas. Nada meramente conceitual, mas prático. Faça e terá resultados.


7 ATITUDES DO LÍDER EFICAZ

1. Respeito. Não tinha como começar esta lista sem mencionar a importância desta atitude. O respeito é fundamental para a construção de um futuro promissor. Através de atitudes de respeito o líder consolida sua marca e garante o comprometimento dos seus liderados. Quando cito a atitude respeito, o faço de forma ampla. Não adianta a pessoa respeitar seus superiores ou até mesmo alguns de seus liderados e não fazer o mesmo com pessoas de níveis mais baixos, ou agir de modo desrespeitoso com outros de áreas ou atividades diferentes. Respeito inclusive se estende para a concorrência. Muito se vê desta atitude na própria forma de contratação de novos funcionários. Aquele que trata o possível colaborador com respeito durante o processo seletivo já garante que se ele for admitido terá uma visão positiva de sua chefia e, por consequência, sua admiração e respeito. A prática diária do respeito amplo e incondicional é que irá garantir a eficácia da liderança.

2. Feedback. Todo gestor deve aprimorar sua capacidade de dar e receber feedback. Apesar do assunto já ser amplamente divulgado ainda há uma grande maioria de pessoas ocupando cargos de liderança que não sabem como fazer de modo eficaz. Para ter algumas dicas importantes clique aqui. Não basta saber na teoria, tem que praticar. É capaz que aconteça erros. Faz parte. O mais importante é reconhecer e aprender. Saber também que cada um tem um jeito diferente de lidar com o feedback e que uma mesma pessoa pode reagir de modo diferente em momentos também diferentes. Por mais que tenhamos dicas e ensinamentos é a prática que irá garantir maturidade ao gestor para dar e receber feedback. Portanto, mãos a obra.

3. Disponibilidade. Uma das atitudes que vejo acontecer com muitas pessoas que ocupam cargo de liderança é não ter tempo para os outros. Um gestor que não tem tempo para conversar com seus funcionários, para ensinar, corrigir, acompanhar, instruir, cobrar, apoiar ou simplesmente bater papo, não consegue alcançar a coesão do grupo e muito menos os resultados desejados. Por mais complexo que seja, é preciso dedicar tempo aos outros. Não estou dizendo que tem que estar o tempo todo disponível, mas organizar-se para ter mais tempo com sua equipe e para si mesmo. Mais equilíbrio entre tarefa e relacionamento.

4. Delegar. Ah, quem nunca trabalhou com uma chefia que centralizava tudo? Um terror. Delegar significa confiar. Para confiar é preciso treinar, preparar os outros. Não é da noite para o dia que se conquista isso. É um trabalho lento e contínuo, mas extremamente poderoso. O líder que aprende verdadeiramente a delegar consegue realizar mais seu trabalho de gestor e, com isso, ganha tempo para preparar cada vez mais sua equipe e investir no seu próprio aprendizado. Portanto, observe sua forma de lidar com determinados assuntos. Você delega, delarga ou centraliza?

5. Justiça. Uma das atitudes que mais depõe contra um gestor é agir de modo parcial, ou seja, proteger alguns e "pegar no pé" de outros. A imparcialidade, ou o senso de justiça, é uma atitude extremamente valorizada pela equipe. Ninguém gosta de se sentir deixado de lado ou trabalhar em um grupo onde alguns são "os escolhidos". Um erro comum, e difícil de ser corrigido, é quando o gestor atribui mais tarefas  (ou as mais complexas) para um ou outro membro da equipe, geralmente os mais produtivos, enquanto os outros ficam com menos atividades. Com o tempo esta ação irá desencadear desmotivação e até a perda destes talentos. Portanto, agir com justiça é tratar as singularidades, as diferenças, porém sem perder a equanimidade. Simples? Nem um pouco, pois exige mais do próximo item.

6. Auto-conhecimento. A célebre citação do Oráculo de Delfos - "conhece-te a ti mesmo" - reforça a importância milenar do auto-conhecimento. Quanto mais conhecemos nossas forças e fraquezas, melhor podemos nos preparar para agir de modo eficaz. O auto-conhecimento pode ser adquirido de diversas formas, mas o simples ato de avaliar seu dia a dia, analisando as decisões tomadas, a forma como lidou com cada situação e assim por diante, já garante um mínimo e auto-conhecimento. É fato que a ajuda de um profissional especializado (Psicólogo, Coach de Carreira, Psicoterapeuta, Mentor, etc.) tornará a tarefa mais fácil de efetiva. Muitas leituras sobre comportamento, liderança, gestão de equipes e assuntos afins também ajudam. Participar de eventos e fazer uma auto-crítica entre o que é apresentado e suas atitudes também constitui um modo de aprimorar o auto-conhecimento. Portanto, sobram formas de colocar esta atitude em prática, mas o fazer continua por sua conta.

7. Liderar. Fecho a lista de atitudes com uma que engloba diversas outras: liderar. A atitude de liderar compõe ensinar (instruir), comandar (sem centralizar), ter controle (sem exageros), assumir os riscos (tomar as decisões necessárias), tomar a dianteira (mostrar os caminhos), unir a equipe (extrair o melhor de cada um), criar inspiração (fazer com que todos se sintam importantes). Tem mais? Liderar é a própria atitude de liderança.

Diante disso deixo uma reflexão: você pratica estas atitudes no seu dia dia? Elas fazem parte do seu cotidiano? Deixe seu comentário, sua sugestão, sua opinião, sua crítica ou aquela atitude que você acredita deveria estar nesta lista. Grande abraço!


Palestras de Liderança, Motivação e Produtividade
 Rogerio Martins 
 Psicólogo, Palestrante, Escritor e Professor Universitário. 
 Siga-me no Twitter (@rogermar), no Instagram (@martins_rogerio) e no Facebook 



Outros artigos sobre LIDERANÇA que podem interessar:



Quer receber as atualizações do site? Insira seu e-mail abaixo:




Cadastre-se no Boletim